Revista Contra-Relógio
// Brasileiros lá fora //

Maratona de Amsterdã: a mais rápida em 2016

Edição 279 - DEZEMBRO 2016 - MARCIO CARRILHO

Ela não está entre as provas mais ricas, que atraem corredores de elite velozes, mas tem um percurso plano e bonito, que agrada muito aos amadores.


A 41a edição da Maratona de Amsterdã, dia 16 de outubro, foi a mais rápida do ano, levando-se em consideração o tempo médio dos dez primeiros colocados: 2:06:22. Superou em cinco segundos a média de Dubai - realizada em 22 de janeiro, nos Emirados Árabes -, que tem premiação milionária e, por isso, atrai muitos dos melhores atletas do mundo.
Na história, esta edição da prova holandesa foi a segunda mais rápida, perdendo apenas exatamente para Dubai, na sua edição de 2012 (para se ter uma ideia, naquela ocasião, o 15o colocado em Dubai fez 2:08:11!). Dos dez primeiros em Amsterdã, oito correram sub 2h07 e mais dois sub 2h08. O recorde da prova, que era do queniano Wilson Chebet, com 2:05:36, em 2013, foi quebrado pelo também queniano Daniel Wanjiru, ao vencer com 2:05:20. No feminino, vitória da etíope Meselech Melkamu, com 2:23:21.
Se não tem uma premiação em dinheiro milionária, nem o apelo de ser uma das seis Majors, Amsterdã conta como trunfo o percurso plano e muito bonito. Nele, destaque para os 12 quilômetros ao longo do rio Amstel, uma área verde e bucólica, onde o corredor encontra dois tradicionais moinhos holandeses e animais pastando. Desde 2014, o percurso tem um atrativo a mais: logo no km 4, os atletas passam por dentro do Rijksmuseum, o maior e mais importante museu da Holanda. O ponto alto, no entanto, é a largada e chegada dentro do belíssimo Estádio Olímpico dos Jogos de 1928. A temperatura também costuma ajudar, embora este ano tenha sido até um pouco quente para os padrões da prova, oscilando entre 12 graus, na largada, até 17 graus já no início da tarde.

Publicidade


PORQUE IR. Para o maratonista que procura uma prova rápida, sem inscrição cara (este ano custou 70 euros, contra 250 dólares de Boston e 358 dólares de Nova York), que alie uma viagem interessante, com muitas atrações culturais, Amsterdã é uma aposta certeira. A cidade é uma das capitais do mundo com maior concentração de museus, além de possuir o charme dos seus mais de 100 km de canais e 1.500 pontes. Do Rio e São Paulo há voos diários diretos pela KLM, além de muitas opções com escalas por outras companhias.
Outra vantagem é o acesso fácil e rápido para a largada, seja de bicicleta (meio de transporte dos mais populares na Holanda), bonde ou ônibus. Correndo esta prova pela segunda vez (a outra havia sido em 2006), cheguei 20 minutos antes da largada (às 9h30), tendo ido a pé, pois estava hospedado a 1,5 km do Estádio Olímpico. As baias por tempo previsto funcionam sem problema, e o fluxo de corredores é tranquilo desde o início, sem estrangulamentos.
Este ano, 92 brasileiros completaram a maratona. Há também uma meia-maratona, com largada às 13h20. Uma prova de 8 km completa as opções do dia, com largada às 10h10, no mesmo local da largada da meia. A chegada das três provas é dentro do Estádio Olímpico.
Uma curiosidade interessante: a organização da prova disponibiliza no site (www.tcsamsterdammarathon.nl) um fórum para compra e venda de inscrições, para quem desistir por qualquer razão ou quiser se inscrever depois que se esgotarem as vagas e o prazo. Os interessados negociam diretamente entre si e, uma vez fechado o negócio, o vendedor da inscrição comunica à organização. Há uma pequena taxa e um prazo limite. Esta ideia poderia ser copiada por outras provas, especialmente maratonas, cujas inscrições normalmente são feitas com meses de antecedência. Em 2017, a Maratona de Amsterdã acontece dia 15 de outubro.
Marcio Carrilho é jornalista, do Rio de Janeiro, tem 48 anos e já fez 30 maratonas, com o tempo médio de 3h24. Completou Amsterdã 2016 em 3:18:09. Recorde pessoal: 2:45:12, em Blumenau 1993.


Deixe o seu comentário


Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados