Revista Contra-Relógio
// Fisioterapia //

Hérnia de disco lombar: saiba mais, para evitar ou tratar

Edição 162 - MARÇO 2007 - ALESSANDRA ARKIE E KENIA GUERRA BAUMANN

Muitas vezes, a alegria e o bem-estar proporcionados pela corrida podem sem prejudicados por um fator que está ou esteve presente na vida da maioria das pessoas: dor nas costas.


As dores nas costas, principalmente na região lombar (porção final da coluna), são muito comuns seja na presença da atividade física ou não. Porém, a grande questão é saber exatamente o que provoca essas dores nas costas, como é o caso da hérnia de disco. Conhecer a causa da dor faz com que ela seja resolvida com mais eficiência e menor tempo, proporcionando a volta à atividade mais rapidamente.

Publicidade


Inúmeros corredores chegam ao consultório frustrados e desesperados após receberem o diagnóstico de hérnia de disco ou de desgaste (degeneração) do disco intervertebral, muitas vezes não pela dor que estão sentindo, mas, principalmente, pelo medo de não poderem mais correr.


Entender como funciona a coluna vertebral, o que é a hérnia de disco e o que pode ser feito para evitar e tratar, na maioria das vezes diminui a ansiedade do corredor e o auxilia a ter uma visão mais realista do prognóstico.


O que é hérnia de disco?


Para entender o que acontece no caso da hérnia de disco, é preciso saber que a coluna é formada por articulações compostas pelas vértebras e por discos intervertebrais que se localizam entre elas. Estes discos são formados por um anel fibroso e um núcleo gelatinoso chamado de núcleo pulposo (Figura 1).


O disco intervertebral, principalmente o seu núcleo, comporta-se como um amortecedor, absorvendo os impactos sofridos pela coluna, como os da corrida, por exemplo, cada vez que os pés tocam no solo. Ele é responsável pela sustentação do peso do próprio corpo e dos movimentos de inclinação e rotação da coluna, mantendo a estabilidade da região.


A hérnia de disco acontece quando, por aumento das forças exercidas no núcleo pulposo, esse se desloca e rompe o anel fibroso, indo em direção ao canal medular ou em direção aos espaços por onde passam as raízes nervosas, gerando compressão destas estruturas (Figura 2). Ou seja, o material gelatinoso do núcleo sái do centro do disco e ocupa os espaços das estruturas adjacentes, comprimindo-as.


Quando o núcleo pulposo apenas se desloca sem romper o anel fibroso, empurrando-o contra as estruturas ao redor, chamamos de protrusão discal. Neste caso, o material gelatinoso não extravasa, apenas empurra o anel fibroso, causando uma compressão mais leve.


Causas


A hereditariedade é sempre um fator relevante em quase todas doenças e disfunções. A verdade é que provavelmente 99% das famílias vão ter um ou mais membros que sofreram de hérnia de disco ou degeneração e a única medida que pode ser tomada é manter um programa de prevenção.


Em primeiro lugar, é importante entender que todas as articulações da coluna vertebral devem ter movimento, pois dessa maneira os discos intervertebrais podem receber "alimento". A maior parte do suplemento sanguíneo (oxigênio e nutrientes) chegam ao disco intervertebral através do movimento quando o indivíduo tem mais de 25 anos. Quando o movimento é perdido ou diminuído em qualquer parte da coluna, o suplemento sanguíneo também diminui e com isso inicia-se um processo de degeneração.


Com o passar do tempo, se o movimento não é restabelecido na articulação, os músculos ao redor dela começam a se encurtar, perdendo a flexibilidade. Com isso, o espaço entre uma vértebra e outra, destinado aos nervos, começa a diminuir, comprometendo o impulso nervoso. Além disso, o disco intervertebral diminui de espessura como resultado da diminuição do aporte de alimento e oxigênio e pelo fato de que o peso não é mais absorvido e distribuído igualmente pela falta de movimento na articulação. Isso faz com que o anel fibroso fique vulnerável a rupturas, permitindo a formação da hérnia de disco.


Esta perda ou diminuição de movimento pode ser causada por várias razões, entre elas: trauma na coluna, desequilíbrios musculares, diferença de comprimento das pernas, obesidade, alterações da postura e envelhecimento. A perda do movimento, aliada a esforço excessivo ou repetitivo, disfunções biomecânicas e maus hábitos posturais (como pegar inadequadamente um peso do chão, por exemplo) podem levar ao aparecimento da hérnia de disco. Isso porque ao levantar um peso do chão, estando com o tronco inclinado para frente, sem agachar, faz com que o disco sofra uma força na sua porção anterior, empurrando o conteúdo do núcleo pulposo para trás e forçando uma ruptura do anel fibroso.


O movimento descrito anteriormente associado a movimentos de rotação da coluna pode ser considerado uma postura de maior risco para a formação da hérnia. Porém, podem existir casos em que apenas um trauma ou movimento inadequado resulta na hérnia, mesmo sem a existência de um processo degenerativo.


Sintomas


Os sintomas dependem da causa do aparecimento da hérnia discal. A dor pode estar presente ou não. Poucas pessoas sentem dor na coluna assim que o processo de degeneração se inicia, enquanto que a maioria só sente dor quando o processo já está avançado.


Assim, é comum dores na região lombar e/ou nos membros inferiores (as vezes até o pé), de acordo com a localização da compressão. Ou seja, se a compressão está à direita, o sintoma será no membro inferior direito e assim por diante. Pode ocorrer alteração da sensibilidade no membro inferior do lado acometido e dificuldade para andar ou realizar determinado movimento por incapacidade muscular, causada pela compressão de raízes nervosas.


Diagnóstico diferencial


Outras patologias podem provocar sintomas parecidos com os da hérnia de disco. Por isso, é importante procurar um médico para a realização de um exame detalhado e diagnóstico, descartando a possibilidade de: cálculos renais, tumores e suas metástases, problemas vasculares, osteoporose, aneurismas, entre outras.


Solução


A maioria das pessoas não vai cuidar do problema até que esteja em "crise". E uma crise de coluna pode acontecer dez anos após o início do problema. Por essa razão, a prevenção acaba sendo a melhor opção.


Depois de instalado, a única maneira de tratar e resolver o problema é com uma abordagem progressiva. Não acontece num passo de mágica. A correção da causa será gradual.


Daremos ênfase no tratamento conservador, porém alguns casos necessitam de cirurgia ou injeções de anestésicos ou antiinflamatórios na coluna.


Em geral, podemos dividir o tratamento em três fases e se você tentar pular uma das fases é bem provável que termine voltando para a primeira novamente...


TRATAMENTO EM 3 FASES


Fase 1: Fase aguda


Durante a fase aguda, a articulação e todas as estruturas em volta (músculos, nervos e ligamentos) tornam-se extremamente inflamados e espásticos (contraídos exageradamente), o que resulta em muita, muita dor.


O primeiro e único objetivo dessa fase é "apagar o fogo". Isso deve ser feito o mais rápido possível já que essa fase é a mais debilitante e sofrida (em geral este estágio pode durar de 2 a 6 semanas).


As medidas mais indicadas para essa fase é descanso relativo, gelo, fisioterapia, acupuntura e medicação antiinflamatória e analgésica. Descanso relativo significa que você deve parar qualquer atividade física (até porque, nessa fase, nem o corredor mais fanático conseguiria manter o treino ou, pelo menos se mentalmente são, não deveria...). Porém, o repouso absoluto, deitado numa cama, é indicado apenas para os casos graves onde a postura sentado ou em pé não é tolerável devido à intensidade da dor.


Nesta fase o mais importante não é reconquistar o movimento perdido, mas sim não exigir muito movimento na região afetada para não aumentar o processo inflamatório e congestão já estabelecido na região.


Alguns suportes (cintas ou coletes) para a coluna ajudam no alívio da dor nesta fase. A fisioterapia pode auxiliar no relaxamento da musculatura e reeducar o paciente quanto às posturas mais indicadas nas diferentes atividades do seu dia-a-dia, como por exemplo: em que posição dormir, como se virar na cama e levantar-se corretamente, como ajustar a cadeira e a mesa do trabalho para não agravar a dor e compressão do nervo.


Fase 2: Reabilitação


Essa é a fase que a maioria das pessoas não toma conhecimento. O movimento deve ser restaurado na articulação da coluna e deve ser orientado um programa de recondicionamento dos músculos que suportam e estabilizam a coluna, que deverá ser seguido para a melhora a condição geral da coluna.


A maioria dos sofredores de dores nas costas acha que uma vez que a dor diminui ou desaparece é porque o problema foi resolvido. A verdade é que isso é apenas o começo da fase de correção. Essa fase dura de 4 a 6 meses de dedicação e trabalho duro, mas você verá resultados gratificantes e duradouros.


Esta fase consta da combinação de técnicas que visam restabelecer o alinhamento estático e dinâmico da coluna e principalmente a capacidade de movimento em todas as vértebras da coluna. Para atingir esses objetivos o corredor pode procurar fisioterapeutas que trabalhem com RPG, técnicas de terapia manual como Maitland, Osteopatia e Energia Muscular. Outra opção são os quiropratas (estes têm sua prática pouco difundida no Brasil, mas são extremamente reconhecidos na Europa e Estados Unidos).


Juntamente com a restauração do movimento devem ser intensificados os exercícios de estabilização da coluna, que terão o objetivo de facilitar o recrutamento dos músculos que protegem a coluna.


Para os corredores que se interessam por anatomia e querem aprender mais sobre os músculos envolvidos na reabilitação da coluna, os principais músculos estabilizadores da coluna são: quadrado lombar, transverso abdominal, oblíquos, multifidius e psoas. Estes exercícios podem ser aprendidos na fisioterapia ou se você não tem acesso a esse serviço uma outra opção é o Pilates, que pode ser feito em uma academia de ginástica. O mais importante é que você tenha supervisão durante a realização dos exercícios até que esteja familiarizado com a correta posição e execução dos mesmos para prosseguir por conta própria.


Após a conquista do recrutamento da musculatura estabilizadora da coluna é indicado o início de fortalecimentos musculares globais: todo o grupo abdominal, glúteos, flexores do joelho (isquiotibiais), extensores do joelho (quadríceps), extensores da coluna (paravertebrais), entre outros. Estes músculos são importantes para o mecanismo protetor da coluna durante a corrida, pois o estresse, normalmente localizado na coluna lombar, deve ser transportado para os quadris, joelhos e tornozelos, para a conquista de um sistema completamente equilibrado.


Outro fator que contribui nessa fase é a adoção de hábitos saudáveis, como a perda de peso se você está acima do indicado para a sua altura, e boa postura durante as suas atividades de vida diária.


Uma vez que o atleta tenha iniciado e se adaptado aos exercícios de estabilização da coluna e aos exercícios de fortalecimento geral, processo este que leva em média duas semanas, os exercícios aeróbicos podem ser reiniciados e progredidos gradualmente nesse período de 4 a 6 meses. Dependendo da gravidade de cada caso, o médico ortopedista e/ou fisioterapeuta deverá auxiliar na escolha da atividade aeróbica mais indicada para você iniciar a sua recuperação.


O grau de compressão nervosa determina o momento da volta à corrida: uma compressão mínima permite o retorno mais precocemente quando comparada a uma compressão maior. Além disto, existem outros fatores que serão levados em consideração: algumas compressões ocorrem ao flexionar a coluna, enquanto que muitos casos degenerativos se agravam mais com extensão da coluna. Se o seu caso piora com flexão, atividades como natação, deep running e corrida serão mais indicadas. Nos casos agravados por extensão da coluna, a primeira atividade aeróbica tolerada pelo paciente será bicicleta ergométrica (de preferência aquela mais horizontal, com apoio nas costas). Lembre-se que no caso da corrida o treino deve ser iniciado com um programa de trote leve em terreno regular e a progressão também deve ser lenta e gradual.


Além de muita dedicação, paciência e motivação, você deve estar atento a qualquer sinal que o seu corpo estiver lhe mandando. Diminua o seu treino toda vez que sentir dor ou desconforto, seja durante ou depois da realização dos exercícios.


O mais indicado é ter ajuda profissional durante toda essa fase. Se nã for possível contar com os serviços de um fisioterapeuta ou treinador familiarizado com a recuperação de problemas de coluna, tente manter o seu médico informado sobre a sua progressão e procure ajuda se apresentar qualquer sintoma.


Fase 3: Manutenção


Esta fase fará parte do resto da sua vida... Pelo menos, requer o menor esforço, tempo e dinheiro para manter as excelentes mudanças conquistadas nos meses anteriores. Se você não mantiver um programa de manutenção, existe grande chance de voltar à estaca zero. A idade pesa sobre todos nós, principalmente nas nossas articulações, ossos e músculos. Na nossa opinião esse não é um preço alto a pagar pelo benefício de se manter ativo e fazendo o que você mais gosta.


Portanto, como o processo de envelhecimento é natural e inevitável, a melhor forma de evitar a dor nas costas por causa da hérnia de disco é prevenir, começando com bons hábitos posturais para evitar que movimentos que parecem bobos no dia-a-dia acabem acarretando uma patologia que pode atrapalhar os planos para uma nova prova ou meta.

63 Respostas para “Hérnia de disco lombar: saiba mais, para evitar ou tratar”

  1. Obrigada! Estou com uma crise de hérnia de disco. Após ler estes esclarecimentos fiquei menos tensa e com grandes esperanças de recuperação. Muito esclarecedor !!!Parabéns

  2. Muito boa a matéria. Eu estou com este problema. Começou lentamente e no começo ano diagnostiquei e já iniciei os tratamentos com fisioterapia e Pilates. Mas a vontade de voltar a correr é grande, mas não dá. Vou seguir as orientações da matéria e quem sabe terei uma recuperação rápida.

  3. Gostaria de saber se a praica de caminhadas diarias de 45minutos podem prejudicar quem tem protusão de disco lombar L5 S1
    Obrigada!Otimo texto, lucidou muito.

  4. ótimo! Estou em tratamento, acredito que me encontro fora de crise, as dores estao diminuindo,fiz fisioterapia e acupuntura. Agora acho que ja posso partir para uma atividade fisica.
    Gostei muito da materia. Parabens!

  5. muitissimo obrigado pela matéria,sofro de protusão discal e achei que estava tudo acabado em relação a corrida em minha vida.

  6. Essa matéria, me deixou muito esperançoso. Obrigado!!

  7. Gostei muito da matéria! Agora gostaria de esclarecer uma dúvida: A hérnia tem cura ou não? Poderei praticar esportes como futebol e vôlei? Já passei por vários médicos e uns dizem que pela ressonância o diagnóstico e cirúrgico, outros dizem que pelo porte físico e pelos cuidados que venho tomando não se faz necessário, mas que devo desistir da ideia de futebol, vôlei e corrida e procurar atividades como natação e academia para fortalecimento muscular. E também dizem que a cirurgia é para manutenção, no caso, aliviar as dores, mas que a hérnia sempre terei e dependendo dos meus hábitos e atividades as crises voltariam e que sempre constará nos exames a hérnia.
    Desde já grato e aguardo resposta!!!

  8. Eu também gostei muito da matéria. Tenho hérnia de disco extrusa L5-S1, e 2 fisioterapetas e 1 médico que passei disseram que nunca mais poderei correr, pois o disco pode “esvaziar”, gerando mais atrito entre as vértebras e principalmente aumentando a compressão do nervo.
    Gostaria da opinião de alguém que tenha hérnia extrusa (e não protrusão discal)e ainda corre normalmente, ou de um médico, pois estou muito triste com esta nova condição. Muito obrigada!

  9. Foi o melhor texto que já li sobre hérnia discal. Porto uma protusão discal L5/S1, L5 sacralizada, póstero-mediana. Apontada como mínima a pequena na ressonância. Mas dói. Dói muito após alguns meses. Mas, depois ler o artigo acima, fiquei muito animado. Já estava pensando em retomar a vida esportiva, totalmente parada há 15 anos, agora vou em frente de vez. Obrigado.

  10. Registro não sairei correndo por aí. Procurarei os profissionais adequados para cada fase descrita no texto. Parabéns pelo artigo!

  11. excelente !

  12. otimo texto o melhor e o mais esclarecedor que ja li parabens

  13. Gostei muito do texto, tirou parte da minha ansiedade e fiquei mais tranqüilo. obrigado Lula Foto

  14. MUITO ESCLARECEDOR O SEU TEXTO E AGORA ESTOU MAIS TRANQUILA E MENOS ANSIOSA PARA INICIAR O TRATAMENTO. PARABENS!!

  15. Fiquei mais aliviado após os esclarecimentos sobre este problema,pois descobri recentemente que sofro de tal e já tinha perdido as esperanças de voltar a correr, atividade que gosto muito de praticar. vou tentar seguir todas as estruções. muito obrigado.

  16. Apesar de extenso, texto excelente, bastante esclarecedor e motivador!
    Parabéns, belo trabalho de pesquisa!

  17. ADOREI ESSA MATERIA SOFRO MUITO COM CRISES DESDE 36 ANOS FAÇO
    TRATAMENTO SOU COSTUREIRA TRABALHO EM FABRICA DE JENS E DANDO PRODUCÃO MAS TENHO HERNIE DISCAL ATÉ NA SERVICAL MEUS BRAÇOS JA ESTÃO QUERENDO PARAR E MÃOS TAMBEM TENHO MUITA DOR MAS FAÇO TRATAMENTO COM REMÉDIOS E ENJEÇOES MAS DIGO A VC DOE MUITO HOJE TENHO 50 MAS VAMOS A LUTA OBRIGADA IZA AVARÉ

  18. Gostei muito da matéria, sinto forte dores na lombar por causa da hérnia , pergunto, caminhar 6 km por dia agrava mais , pilates é um bom tratamento é melhor que RPG ?
    Muito obrigado,

  19. isso não tem cura não, esse negocio de tratamento não funciona ao menos comigo não funcionou , tenho esse problema desde 2004 já tomei todo tipo de medicamento, fisioterapia acupuntura, medicamento pra fortalecer os ossos. e nada.

  20. Sou fisioterapeuta e quiropraxista há 11 anos.Achei muito boa a explanação sobre a hérnia de disco e protusão discal. Em meus tratamentos por quiropraxia obedecendo todas as 3 fases do tratamento afirmo que rarissimas excessões não se obtem um resultado positivo de recuperação pelo metodo convencional. A quiropraxia combinada a fisiotrapia devolve ás estruturas envolvidas a mobilidade natural irrigação tecidual e visceral( sintomas como constipação,ma digestão, diarréia, deficiência ao respirar e outros) adequada pemitindo que o organismo se reprograme.

  21. Adorei a matéria e foi super esclarecedora para eu que estou apresentando estes sintomas porque abaixei e ao levantar foi de mau jeito.
    Vou agora imediatamente seguir todos os passos aqui recomendados. Só ficaram umas dúvidas: 1) Faço pilates com aparelhos com uma fisioterapeuta e ela disse que posso continuar: é verdade ???; 2) O ortopedista me recomendou fazer uma ressonância magnética antes de qualquer atitude de fsisioterapia ou outro tratamento: a ressonância é necessária para o diagnóstico? através do raio X ele não viu nada mesmo ?
    Obrigada !!!
    Abçs….
    Lúcia

  22. Agradeço pela oportunidade proporcionada pela Revista Contra Relógio em divulgar meu relato e mais ainda pela matéria esclarecedora e comentários que seguiram ao texto.
    É certo que a cura ainda está longe de ser encontrada, mas a mudança de hábito, associada a muita determinação é que fez com que meus dias fossem transformados em pura vontade de viver. E correr!
    Valeu mesmo!

  23. Excelente matéria, parabéns! Fiz cirurgia em 1993, ou seja, há mais de 18 anos. Confirmo o modo como surgiu o trauma, sedentarismo, má postura, movimento brusco e excesso de peso aliado a inclinação. Cheguei ao repouso absoluto (só deitado), com cinta e alimentação leve. Nada funcionou, as dores eram fortes, em pé, sentado ou mesmo deitado. Persisti no sedentarismo após a cirurgia. Mas, depois de 10 anos passei a ser acompanhado por fisioterapeuta e voltei aos exercícios. Agora, faço musculação em casa e corrida moderada por aproximadamente 45min. Também escutei de médico que não poderia correr, mas ainda não obedeci as recomendação. Mas já penso em natação e bike. Gostaria de saber se poderia intercalar as corridas com bike, e que modelo seria recomendável (caloi urbe, freeride ou estilo chopper), já que gosto de exercícios ao ar livre. Obrigado!

  24. Excelente matéria, esclarecedora em todo o seu contexto.

  25. Eu li a materia mais não sei se vai me ajudar. Por que nem os anti-inflamatórios não da mais jeito nas minhas dores.

  26. Parabéns pela matéria. Vocês realmente me ajudaram e tenho certeza que salvaram o dia de muitos corredores. Também fui informado que não poderia mais correr e fiquei bem abalado. Vou seguir todas as etapas e procurar um especialista. Muito obrigado.

  27. Parabéns. Muito esclarecedor.Infelizmente não melhorei com medicamentos e tive que me submeter a uma cirurgia de hérnia de disco L5S1 em jan/2012,estou feliz em saber que posso pensar em voltar a caminhar e correr através de acompanhamento de fisioterapia RPG e hidroterapia. Operei com um neurocirurgião e quando sai da sala de recuperação não sentia nenhuma dor e continuo sem elas ,graças a Deus!

  28. Muito boa a matéria,pos tive que abandonar a nataçao e corrida por causas das dores na coluna servical e, fico depremido so de pensar que nao posso fazer mais o meu esporte por conta das dores na coluna mas lendo essa matéria mim acendeu uma luz no fundo do posso e dar inicio ao tratamento, nao tenho condiçoes nenhuma de fazer tratamento pos sou de familia humilde mas vou tentar de alguma forma fazer algo para voltar a platicar meu esporte que é a nataçao e a corrida. Obrigados pelas excelentes matérias.
    Ass: Itamar Paiva

  29. obrigada minha mãezinha está com duas HERNIAS e não sei mas o q fazer para acabar com o sofrimento dela doi demais ,não tinha noção do que era uma Hernia e nem como ajudá-la. obrigada adorei a matéria.

  30. Eu estou sedentário, e estava engordando muito acho que isso fez com que meu problema se agravasse e acabei por ter uma crise e descobrindo a hérnia na lombar, a matéria foi muito esclarecedora e já estou pensando em fazer natação.

  31. gosrtei, fiquei menos preocupado por saber que irei ficar são, pois essa é a 2ª crise, mais ja sei o que farei.muito obrigado.

  32. Tenho hernia discal, duas crises gravissimas, um delas com internação hospitalar por 3 dias. Como estou resolvendo: perdi 8 quilos, policio meus movimentos de andar, sentar, deitar etc., e estou fazendo natação (sem nado borboleta). Esta dando certo…

  33. bom,descobri q estou com hernia de disco na lombar em l5 e s1!sinto muito dor, ja tomei remedios nao melhorou<ja tou 30 sessao de fisioterapia e nada e vou começar acupultura agora!quem sabe vai melhorar!

  34. Estou passando pela 1ª crise da minha vida! Que dor insuportável! Já faz 20 dias e a melhora foi mínima. O primeiro ortopedista que passei, encaminhou-me diretamente para a cirurgia, fui resistente e procurei mais 2 médicos que me recomendaram exatamente o que a matéria acima diz: paciência, perda de peso, exercicios de baixo impacto e atenção a postura cargas excessivas.Vou esforçar-me ao máximo para colocar todas em prática, pois passar por esta crise está sendo muito difícil!!!

  35. Muitíssimo orientador! Confesso, após a crise de dor, a procura por ortopedista foi urgente. Após raio-x, o mesmo solicitou ressonância para confirmar sua hipótese sobre a Hérnia. Fiquei muito assustado com o resultado de uma hérnia postero mediana extrusa à direita. O médico indicou injeções anti-inflamatórios, analgésicos e uma cinta, como a perda de peso, porém essa orientação, apesar de não ser esportista afixionado, sempre gostei de uma corridinha no passinho da saúde, a qual achei que não poderia mais fazê-la. Com essa orientação na matéria renovei minhas esperanças, apesar das dores, menos intensas, mais persistentes. VALEU E MUITO, OBRIGADO!!!

  36. Materia muito interessante e esclarecedora.
    Obrigado e parabens.

  37. Ola amigos muito bom esse texto muito esclarecedor tive uma dolorida crise no mes de maio e hoje apos noventa dia de tratamento e fisioterapia estou quase que sem dores um pouco de dormencia na parte traseira da perna esquerda sou policial de rua meu unico receio e nao poder trabalhar mais na rua ja que correr acho que poderei com alguns cuidados peço se tiver alguem nas minhas condiçoes se apos recuperaçao sem cirurgia conseguiu voltar a trabalhar na rua ou so trabalhos internos OBRIGADO

  38. Estou com hernia de disco desde o dia 15 de julho de 2012, os primeiros 15 dias foram de muitas dores, tomei quatro medicamentos diferentes e as dores não passavam, apos algumas seções de fisioterapia, fiz a ressonância magnética e iniciei o tratamento com Pilates, continuo com dores, porem com menas intensidade.
    Esta matéria com certeza ajudará muitos corredores a voltarem a praticar o que mais gostam (correr).

    Severino.

  39. bom dia, eu li sua matéria agora, e foi diagnosticado hérnia de disco semana passada e estou em crise com dores fortes, e sua matéria é muito interessante e graças a vc estou tendo oportunidade de me tratar melhor, muito obrigado mesmo.

  40. Melhor matéria sobre o assunto! Ainda estou na crise, já dura 3 semanas, estou tomando: paratram (paracetamol com tramal), coltrax, celebra e agora 3 ampolas de dexacitoneurin em dias alternados. Honestamente, ainda assim sinto dores fortes, estou de repouso e vou iniciar agora fisioterapia. Nunca senti tanta dor desde um cálculo renal que tive. Por alguns momentos, parece que está melhorando, sinto apenas curtas e leves pulsadas de dor freqüente, em outros acho que terei q ser levado a emergência, várias pulsadas longas e muito fortes de dor, desde a lombar irradiando por toda a perna esquerda. Não tem outra alternativa nesta fase crítica, a não ser remédios para agüentar a dor e fisio? As vezes parece q não vai terminar nunca!

  41. Gostei muito das explicaçôes, tenho hernia de disco desde 12 de novembro de 2012, kkkk foi quando acordei e essa dor terrível me acompanhou…e fui parar no pronto socorro….não imaginava sentir tanta dor desde que minha filha nasceu há 30 anos… não comecei nenhum tratamento especifico ainda, pois ainda vou fazer ressonância, estou tomando anti-inflamatório e para dor, quase não faz diferença, a dor é demais….só melhora andando…para doemir é um inferno…só com sedativo…

  42. Excelente artigo. Parabéns! Me salvou de um retorno ao início da estaca zero, pois ainda não sai. Já estava de tênis, pronto p correr, ou pedalar, o que mais gosto, pois já não aguento ficar parado sem me exercitar. Mas fazer o quê? Acho q é por aí. Seguir as orientações de quem entende é o melhor caminho para quem pretende retornar à prática de esporte.
    A todos os q estão nessa situação, força, disciplina e muita dedicação para que o retorno seja o mais breve possível.

  43. Matéria extremamente didática e esclarecedora. Não dá fórmulas mágicas e deixa claro que a reabilitação depende da pessoa, por meio de trabalho constante e MUITA paciência.
    Minha dores estão passando, já estou fazendo recuperação e fortalecimento na academia e espero volta a corrida ainda esta semana.

    Parabéns!

  44. gostei muito da matéria? muito esclarecedor. tive uma grave crise de hernia discal na lombar. fiquei sem andar durante 2 semanas. já fiz ginastica, terapia neural e atualmente estou a fazer acunpultura com estimulaçao eletrica, mas as dores continuam. será que algum dia poderei voltar á minha vida normal, sem dores….

  45. a alguns meses atras tive uma crise na coluna lombar omedico suspeita de henia de disco estou esperando vaga para marcar o especialista,mas as dores diminuiram mas,peço muito a DEUS que não seja henia de disco lombar.

  46. Excelente material. Estou no meio de uma crise aguda, deflagrada há uma semana e os médicos me confundem. Mas, com estas orientaçoes me sinto bem mais confortável.Obrigado e parabens pela competência. Votos de mais sucesso em 2012.

  47. Parabéns pela excelente matéria, muito exclarecedora! Gostaria, se possível, um pouco mais de comentários à respeito da técnica da quiropraxia, por ser nova no Brasil, comparativo com os demais procedimentos.

  48. Muito boa esta materia. Sobre semente de sucupira,alguem ja se informou sobre?! Ouvi falarem que e um bom fortificante. Que Deus nos abençoe

  49. Ótima matéria!
    Já fiz várias fisioterapias por sentir dores na lombar. Meu médico havia diagnosticado apenas desgaste por má postura, mas eu não sabia que era hérnia. Descobri este mês qdo fiz uma ressonância do útero e acusou este problema. Fiquei bastante tensa, mas depois de ler esta matéria estou mais calma e certa q preciso voltar aos exercícios físicos. Estou parada há uns 3 meses e voltei a sentir dores.
    Parabéns e obrigada!

  50. Excelente artigo !! Tenho essa ‘bendita’ protrusão discal entre a L5-S1, e apesar de estar em tratamento (fisioterapia), sempre fica a dúvida se o resultado será suficiente para voltar a correr afinal, conforme a idade passa, as coisas vão ficando mais difíceis…

  51. obrigado pela edicao vou comecar o tratamento logo parabens ele e bem exclarecedor

  52. Gostei muito da matéria. já tenho 3 meses sofrendo com uma hérnia de disco na L5S1 extrusa…sou apaixonada por atividade fisica e hoje me sinto triste por estar com isso. Sinto uma ansiedade, quando acho que estou ficando boa, ai volto a sentir dores… é deprimente para quem ama atividade fisica se ver numa situação dessas, fora a dor que é terrivel. Hoje faço pilates, mas tem dia q sinto dores…. fico contando os dias para voltar p atividade fisica, mas cada dia que passa vejo que vai demorar mais do que pensei..esse texto me deu a esperança de um dia voltar, mas vejo que nõ vai ser tão cedo…muito triste com isso. não desejo a meu pior inimigo…Mas com as graças de Deus irei vencer essa provação na minha vida. nada é atoa..amém!

  53. Eu sou mais um na estatística que infelizmente contraio hérnia de disco lombar.Haja visto que eu achei excepcional o interesse de voces por este assunto,que não está presente somente na realidade de nosso país,mas no mundo todo.

  54. Bom como todos aqui possuo uma hernia protusa na L4 e L5, ja passei pela fisoterapia, já estou no Pilates e vou iniciar o RPG. Li muito sobre a Quiropraxia e pretendo faze-la também. Porém o mais importante é que este artigo me deu uma luz, poiis justamemte este ano farei a maratona de Berlin.Se Deus quiser estrei lá….!

  55. Muito bom o artigo, quando recebi o resultado da ressonância achei que nunca mais poderia correr (sou viciado em corrida). Agora tenho um esperança.

  56. Gostei muito da matéria, minha duvida é a mesma que a do Igor do item 07, poderia esclarecer também.

  57. Soube por estes dias que sofro deste problema,além das dores o que mais me custa é deixar a bicicleta de spinning e a passadeira…o médico falou que será temporário,mas mesmo melhorando nada de exageros.

  58. Excelente o texto. Tenho diagnóstico de protusão discal em toda a coluna, mais acentuada na lombar e cervical. Ha tres anos faço musculação e pilates para fortalecimento e corro. Hoje consigo fazer 10km e os episódios de dor intensa se reduziram muito! Sem contar que já passei dos 50 anos há tempos!
    Acredito que cada pessoa deve adaptar a intensidade do treino de corrida às suas condições físicas e sempre ouvir e obedecer a orientação profissional quanto ao fortalecimento e alongamento. A mudança nos hábitos posturais : sentar, deitar, computador, etc e alimentares também é essencial.

  59. maravilhoso artigo,muitas de minhas das minhas duvidas

  60. Posso não ter visto mas, nada foi comentado sobre a eficácia de algumas posturas (asanas) do (da) yoga e o “andar prá trás”, únicas coisas que me “aliviaram”, depois de tomar milhares de antiinflamatórios, por mais de 10 anos!!!

  61. Excelente artigo, estive correndo até poucos dias atrás, e fui obrigado a parar, e remédio nenhum tira essa dor terrível. Sinto por ter que parar a corrida, porque estava muito feliz correndo.

  62. Melhor artigo que já li na net sobre hérnia de disco, muito simples de entender, muito pratico de seguir. Convivo com duas hérnia lombares desde 1998. Sou Prof de Ed. Fisíca, fui atleta de Tae Kwon Do, hoje trabalho como Coordenador de Atividades no Hotel Spa Botanique em Campos do Jordão onde também ministro aulas de Tênis.
    Irei sugerir o artigo para todos que tenham o problema.
    Abraço, Eugênio.

  63. Muito interessante a materia, gostei, eu estou passndo por este problema diagnotiquei em dezembro duas hernais e um bico de papagaio tomei o medicamento e fiz fisioterapia e acumpultura, só que agora março de 2013 retornou a crise , hoje estou aqui no serviço , mas a dor é forte, me indicaram fazer deep running. espero em Deus que eu melhore.

Deixe o seu comentário


Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados