Revista Contra-Relógio
// Fisioterapia //

Entorse de tornozelo: Cuide bem, para não prejudicar sua corrida

Edição 164 - MAIO 2007 - ALESSANDRA ARKIE E KENIA GUERRA BAUMANN


Os pés são instrumentos importantes na corrida e se algo não está bem com eles essa prática esportiva pode ficar prejudicada. Existem lesões que podem ocorrer até mesmo fora da atividade física e se não forem bem tratadas, com certeza atrapalharão a performance na corrida. Um exemplo disso é o entorse de tornozelo.


O entorse do tornozelo é um mecanismo de lesão muito comum entre a população, seja o indivíduo atleta ou não. Este tipo de lesão representa 40% das lesões esportivas, isto porque o tornozelo é uma articulação que executa funções de estabilidade e mobilidade ao mesmo tempo.

Publicidade


As estruturas envolvidas no entorse são os ligamentos, faixas de um tecido fibroso que ligam um osso ao outro. Eles são responsáveis pela estabilização das articulações, ou seja, eles mantêm um osso em contato com o outro e impedem movimentos excessivos da articulação. Quando ocorre o entorse e os ligamentos são lesados, essa função estabilizadora fica prejudicada e a articulação se torna instável.


A torção acontece quando esta articulação é forçada além de sua amplitude de movimento natural, estirando excessivamente os ligamentos. Nestes casos, normalmente os ligamentos são lesados e a sua severidade dependerá do tipo de lesão (parcial ou total) e número de ligamentos acometidos. Além disso, em casos mais graves, podem ocorrer fraturas associadas à torção.


O que pode causar o entorse?


O entorse de tornozelo pode ocorrer por trauma, queda, irregularidades no terreno onde se pratica a corrida (buracos ou elevações), desgaste excessivo de calçados, uso de calçados inadequados (muito altos e/ou estreitos), mudanças de direção de movimento, alterações posturais (pés supinados, pronados, valgos, varos...), desequilíbrio muscular e déficit de propriocepção.


A propriocepção é um tipo de sensibilidade dos ossos, músculos, tendões e articulações que fornecem informações sobre a estática, o equilíbrio e deslocamento do corpo no espaço. Dessa forma, quando pisamos em um terreno irregular, as células responsáveis pela propriocepção percebem as irregularidades e tentam manter o posicionamento correto da articulação, não deixando o tornozelo "virar". Então, se temos algum déficit neste mecanismo, as células não farão a proteção devida, podendo ocorrer a torção da articulação.


Por isso é preciso ter cuidado após ter torcido o tornozelo pela primeira vez. Se não for tratado, além dos ligamentos e músculos se afrouxarem, as células da propriocepção não estarão funcionando 100% (elas também se lesam no entorse) e isso deixará a articulação instável, facilitando novos entorses (entorses recidivantes).


Correr em terrenos acidentados ou irregulares e em declive aumentam a probabilidade de entorses.


Quais são os sintomas?


Dependendo do grau do entorse, os sinais e sintomas podem incluir: dor, edema (inchaço), hematoma, rigidez articular e dificuldade para andar. A dor, o edema e o hematoma podem aparecer do lado de dentro ou de fora da articulação do tornozelo, dependendo do tipo de lesão.


Nos casos de entorses leves ou recidivantes pode acontecer de não se manifestar nenhum dos sintomas, mas o tratamento deve ser feito de qualquer maneira para evitar novos entorses.


Dois tipos de entorses


1) Entorse em inversão: é quando o tornozelo se desloca para fora, projetando a sola do pé para dentro, em direção ao outro pé. É o tipo mais comum de entorse. Os ligamentos da parte de fora do tornozelo se estendem além do seu comprimento natural, podendo causar lesões e/ou fraturas. Em 90% dos casos, os entorses acontecem dessa forma.


2) Entorse em eversão: é quando o tornozelo se desloca para dentro, projetando a sola do pé para fora. Os ligamentos da parte de dentro do tornozelo se estendem além do seu comprimento natural, podendo causar lesões e/ou fraturas.


OS TRATAMENTOS


O tratamento adequado será traçado de acordo com o tipo de entorse e o grau de lesão


No momento do entorse


Assim que possível, logo após o entorse, é indicado que se diminua a carga sobre o tornozelo afetado: nos casos mais leves é indicado diminuir o ritmo da atividade física (ou mudança temporária de atividade), e nos mais graves, repouso da articulação, sem descarga de peso sobre o tornozelo afetado. Além disso, o uso de compressa de gelo e elevação do pé também contribuem para diminuição da dor, do edema e de possíveis hematomas. A elevação ajuda no retorno venoso e linfático. pois tem a ajuda da gravidade, o que faz com que os líquidos do edema sejam reabsorvidos pelo organismo.


O gelo, com elevação, pode ser feito da seguinte maneira: coloque gelo num saco plástico; envolva o tornozelo com um tecido fino e amarre o saco de gelo em volta da articulação, principalmente onde a dor estiver mais intensa. Então, apóie o pé num objeto que mantenha a perna elevada num nível acima da cintura (no braço do sofá, por exemplo). Deixe por 20 minutos (não exceder o tempo para não lesar outras estruturas do corpo). Isso pode ser repetido de 3 em 3 horas, até que seja possível consultar um médico.


A consulta médica é importante para que a conduta correta seja tomada antes de se instalarem na região encurtamentos musculares, piora nos sinais e sintomas e retrações da cápsula articular, que podem limitar os movimentos da articulação (rigidez), impedindo a prática da corrida de forma eficaz no futuro. Essas alterações podem acontecer até mesmo nos entorses leves e também devem ser tratadas, assim como nos casos mais graves.


Tratamento clínico


O tratamento deve ter início com a consulta ao ortopedista, que fará uma avaliação detalhada para identificar o tipo do entorse e o grau de lesão. Para isso é necessário um exame físico e exames como raio X para excluir possibilidade de fratura, ultra-som ou ressonância magnética, para que se possa visualizar os ligamentos e músculos afetados, além da condição da articulação. O uso de antiinflamatórios, imobilizadores ou gesso, muletas e tempo de retorno à corrida devem ser indicados pelo médico, de acordo com o quadro apresentado. O tratamento cirúrgico é indicado nos casos de lesão total dos ligamentos ou lesões extensas e de acordo com o nível de prática esportiva.


Tanto no tratamento conservador quanto no cirúrgico, a reabilitação é importante para a recuperação total e retorno às atividades físicas e à corrida de forma segura, sem riscos de novos entorses.


Dependendo da lesão, o corredor pode realizar, temporariamente, outro tipo de atividade física até que tenha melhores condições de voltar a correr, sem sobrecarregar o tornozelo. Como sugestões temos a natação e deep running (corrida na água) que trabalham força muscular e sistema cardio-respiratório, sem descarga de peso excessiva sobre o tornozelo.


Fisioterapia


A fisioterapia auxilia na redução do edema e hematoma, no processo inflamatório e dor; melhora a mobilidade articular, força muscular, equilíbrio e propriocepção. Quanto mais severa for a lesão, mais complexo e extenso é o tratamento.


Nosso objetivo nesta matéria é informar a necessidade de se tratar um entorse de tornozelo para que uma simples lesão não se torne uma dor de cabeça para quem gosta de correr e tem os pés como atores principais nesta prática esportiva. Então, vamos sugerir, a seguir, alguns exercícios para fortalecer e dar resistência aos músculos que envolvem o tornozelo, para que eles possam funcionar como estabilizadores da articulação, até que os ligamentos se recuperem e o equilíbrio seja restabelecido.


Veja mais:


Exercícios de Fortalecimento pt. 1


Exercícios de Fortalecimento pt. 2

13 Respostas para “Entorse de tornozelo: Cuide bem, para não prejudicar sua corrida”

  1. Tirou minhas duvidas e atendeu minhas expectativas de forma clara e completa sobre torções.

  2. muito interessante… a matéria esclareceu várias dúvidas que eu tinha!! adorei os exercícios… vou colocá-los em prática!!

  3. Gostei do comentario de vcs,sou uma vitima do entorse, me ajudou muito obrigada

  4. Muito obrigado! Ótima a matéria.

  5. Gostei muito da explicação,porque eu estou com um entorse parcial do tornozelo esquerdo.

  6. Muito boa a materia foi muito esclarecedora, e pratica. Muito obrigado

  7. Esta matéria foi muito esclarecedora para mim, pois a 6 dias sofri uma queda e torci o tornozelo, apesar da dor não dei muita importância ao fato, mas após esta informação procurarei o médico ainda hoje. obrigada pelos esclarecimentos!!!

  8. Esta matéria foi muito legal…gostei muito, vou praticar todos os exercícios! Obrigada.

  9. Sempre “viro” o tornozelo e tenho sofrido com isso a tempos, foi muito esclarecedora a explicação, perfeita e vou desde já começar a fisioterapia recomendada. Muito obrigado!!!!!!!!

  10. é uma bela dica, agradeço e vou seguir as recomendaçoes pra fortalecimento obrigado ..

  11. Muito bom, adorei ! MEGAN RAPINOE sz’

  12. muito boa explicação, parabéns

  13. Estou com uma entorse no tornozelo porém por doer pouco e ter um pequeno inchaço tratei apenas com gelo, estou me preocupando pois faço complexa de noite ai de manha esta melhor ,mas quando volto do serviço esta mais inchado poderia me dar uma dica a curto prazo,pois marquei ortopedista e vai demorar para atender tst esses convenios rs , obrigado

Deixe o seu comentário


Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados