Revista Contra-Relógio
// No Foco //

Edson Bergara, o audaz

Edição 205 - OUTUBRO 2010 - VICENT SOBRINHO

Todo e qualquer participante de corridas de rua entre 1972 e 1999, sejam atletas comuns ou recordistas brasileiros da época como José Romão e Eloi Schleder, assim como os campeões da São Silvestre, José João da Silva e João da Mata, ao ouvirem o nome Edson Bergara logo o associam a pódios e vitórias. Afinal, após o tiro de largada, todos os corredores daquela época apenas o viam pelas costas. Sua principal característica era sempre largar forte e se distanciar na frente já na primeira parte da corrida, para quase sempre chegar à frente dos demais. Durante os 34 anos que competiu, Bergara chegou a acumular quase 2 mil troféus!

Publicidade


Apesar desse currículo, a maioria dos milhares de corredores brasileiros da atualidade nada sabe sobre Edson Bergara. Por essa razão, fomos atrás desse desaparecido recordista brasileiro de maratona e o encontramos trabalhando como mestre de obras na periferia de São Paulo. Afastado das corridas há quase uma década, ele hoje com 58 anos continua magro e com o mesmo biotipo de épocas áureas do atletismo, e nos conta aqui algumas histórias de sua carreira vitoriosa.



DE "BICÃO" À ELITE. Nascido em Itapevi, SP, Bergara recordou o início de sua carreira nas corridas de rua: "Fui de bicão em minha primeira corrida, em 1972, por insistência de um amigo que era atleta no EC Corinthians; a prova em Carapicuíba tinha 7 km e fazia parte de um circuito nos bairros realizada pelo jornal Gazeta Esportiva." Edson logo de cara sentiu o gostinho da vitória em seu primeiro desafio e aos 18 anos se consagrou, ao vencer quase todo aquele circuito.



NADA DE ALONGAMENTOS E MUSCULAÇÃO. Edson conta que nos primeiros anos só havia roupas de algodão e que as opções de calçados eram Conga ou o Kichute; "cheguei a ganhar corridas calçando kichute, que era para jogar futebol". Bergara não se recorda de ter ficado muito tempo fora dos treinamentos. "Nunca me lesionei seriamente, talvez por sempre me manter muito magro. Não gostava de fazer musculação e muito menos alongamentos. Rebelde, Edson tomava muita bronca de seus técnicos pois sempre dava um jeito um jeito sumir, para fugir dos alongamentos e da musculação. Mas nos treinos era muito dedicado, sendo normal em dois períodos, rodagem pela manhã e tiros no fim da tarde. Bergara não deixava ninguém treinar na sua frente. "Era importante para mim ficar na frente, tanto no treino quanto na corrida; nunca gostei de ficar atrás, e nos treinos em grupo só corria na ponta."



3º A BAIXAR OS 30 MINUTOS NOS 10.000 M. Em 1974 o jovem Bergara já chamava atenção de muitos clubes e começava também a vencer nas pistas de atletismo. "Gostei da pista e no meu primeiro ano venci provas de 800 até 10.000 metros. José Romão de Andrade foi o primeiro atleta brasileiro a baixar os 30 minutos nos 10 mil, Eloi Schelder o 2º e em 1979 Bergara venceu os 5.000 m no campeonato paulista e os 10.000 m no Troféu Brasil com o tempo de 29:45.



HINO NACIONAL: CIDADE MARAVILHOSA! Entre muitas viagens ao exterior Bergara gosta de lembrar um dos momentos que acompanhou o triplista João do Pulo. "Em 1979 fomos ao Chile, no Torneio Orlando Guaitá, e uma corrida de rua fechava o evento; na hora de eu receber a medalha, o João ria muito, pois ao invés de tocarem o hino nacional, tocaram Cidade Maravilhosa, que para mim é o hino carioca."



EM 7º, A MELHOR SÃO SILVESTRE. Apesar das muitas vitórias nas mais diversas distâncias, a melhor colocação de Bergara na São Silvestre foi 7º lugar. "Eu nunca consegui correr bem a SS, talvez porque fizesse muitas provas e não me preparava especificamente para ela. Era comum correr uma prova no sábado e outra no domingo, por vezes em estados diferentes." Com exceção da São Silvestre, Bergara venceu praticamente todas as principais corridas de rua do Brasil.



SEM PREMIAÇÃO EM DINHEIRO. Em 1976 Bergara venceu 38 provas e chegou em 2º lugar em outras 4. Ele recorda que o que mais atraía os corredores eram as corridas que ofereciam troféus grandes. "Gostávamos de correr em cidades como Cotia, Cornélio Procópio, Avaré e São Roque, pois quase sempre troféu era o único prêmio; era difícil receber dinheiro, conseguido com a venda de brindes conquistados, como geladeiras, bicicletas, televisores etc. Eram tantos os objetos, que eu vendia ou dava de presente em casamentos de amigos, que certa vez pensei até em abrir um bazar."



MOTORISTA PARTICULAR. Apesar das premiações sem dinheiro, Bergara recebia pagamento do clube que defendia (e foram quase uma dezena), além de certa mordomia. "Para poder participar de duas provas nos fins de semana, cheguei a contar com um motorista à minha disposição, além de eventualmente dispor de passagens de avião, desde que competisse bem e de preferência vencesse as provas." Ele recordou também que eram tempos de ditadura e por ser um dos principais maratonistas da época, era escalado pela Confederação Brasileiro de Atletismo para representar o país no exterior, o que lhe proporcionou conhecer os cinco continentes e aumentou seus rendimentos.



OS PRIMEIROS PARES DE TÊNIS IMPORTADOS. Somente após 10 anos de carreira, Bergara passou a usar tênis importados, apropriados para corrida. "Fui um dos primeiros a usar esses modelos, que eram bem diferentes dos usados por aqui eu em sentia um astronauta porque eles chamavam atenção; eu até emprestava para amigos correrem, mas demoravam para voltar e às vezes vinham todo estropiados." Em uma Maratona do Rio, que era tão importante quanto a SS na época, Edson competiu com tênis importados, mas remendados com esparadrapos. "Quando comecei a viajar ao exterior foi mais fácil adquiri-los, apesar de serem muito caros, pois ainda eram calçados especiais."



MARATONAS AQUI E LÁ FORA. Imaginem uma largada às 14 horas em Maceió. Foi assim que, em 1979, Bergara experimentou sua primeira maratona. "Mesmo com o sol a pino, venci em 2h26, um bom tempo para quem estreava." Algumas semanas depois ele ganhou novamente uma maratona no Espírito Santo. Em novembro desse mesmo ano Bergara fez sua estréia na Maratona do Rio; "o americano Greg Meyer venceu e fiquei em segundo, e por ter sido o melhor brasileiro fui convidado a correr a maratona de Honolulu no Hawaí." Inácio Werneck, editor do Jornal do Brasil e da Revista Viva, foi quem acompanhou Bergara. "Ele me levou para minha primeira maratona no exterior; era uma prova de ida e volta, e o Inácio deu todas as dicas, pois a prova era em milhas e eu não estava acostumado com a marcação. A maratona largava às 6 horas e choveu muito durante o percurso; ultrapassei o alemão Rolf Salzman faltando uma milha e consegui me manter em 2º lugar, chegando na frente também do recordista olímpico Frank Shorter, que foi o 4º colocado; pela 3ª vez quem vencia a prova era o americano de origem havaiana Duncan MacDonald, que morava no continente. Essa prova consagrou Bergara, pois conquistou o recorde brasileiro com 2:19:23, apenas 21 dias depois de correr a maratona carioca.


A Maratona do Rio era patrocinada pela Atlântica Boa Vista Seguros, para quem Edson Bergara passou a correr. "Foi nessa época que comecei a ganhar dinheiro e ter oportunidades para competir no exterior; recebia o equivalente hoje a 6 mil reais por mês". Edson correu a Maratona de Boston e por 3 vezes em Nova York e Frankfurt. Em 1989 fez sua última participação em maratonas no Rio, quando foi o 5º colocado com 2h19. Bergara gosta de relembrar as conquistas na Maratona do Rio, e na Mini Maratona da Independência em SP, que venci em 1979 e em 1981 - ano em que José João ganhou a São Silvestre, após 34 anos sem vitória brasileira. "Eu queria muito estar nessa prova, pois estava na minha melhor forma, só que a CBAt me indicou para correr a São Silvestre de Angola, e acabei indo, meio contrariado, mas, não podia negar, sob risco de perder os privilégios que tinha. O que a CBAt mandava, tinha que cumprir, era quase uma missão militar. Em Angola fui o terceiro colocado e fiquei sabendo da grande vitória de José João na São Silvestre apenas na manhã do dia seguinte." Bergara fez história também ao vencer a primeira corrida organizada na USP pela Corpore, de 10 km, em 30:17, que contou com a participação de aproximadamente 700 corredores na tarde de sábado de 15 de maio de 1982.



FRUSTRAÇÃO OLÍMPICA. Em 1983 Bergara buscava índice para ir à Olimpíada de Los Angeles 1984 e a seletiva foi a Maratona do Rio. "Sofri um violento esbarrão da moto do batedor, que precisou de repente desviar de uma criança; caí e isso me desestabilizou totalmente, acabando na 4ª posição com um tempo insuficiente. Bergara competiu praticamente em todos os países da América do Sul e nos EUA, México, Alemanha, Itália, Espanha e França. Em Boston fiquei amigo de Alberto Salazar que me influenciou a permanecer nas maratonas quando me disse: A maratona é reflexo das provas de 10 e 21 km e não há mágica; se você corre bem essas distâncias menores fará bem também os 42 km. Cheguei a correr 10 maratonas em um ano e subi no pódio de todas."



DISPUTAS SOMENTE APÓS A LARGADA. Bergara sempre foi brincalhão e descontraído, não se recordando de ter feitos inimigos. Tinha o hábito de tomar um cafezinho antes das largadas, e minutos antes do tiro de partida, ainda na concentração, brincava com os adversários: "Sempre gostei de descontrair antes da prova!" Bergara revelou que apesar de serem seus competidores diretos, se inspirava sempre nos amigos corredores, como José Romão, Eloi Schleder e José João e que nas provas prestava muita atenção em João da Mata. "Eu cuidava muito para me distanciar dele no início, pois da Mata tinha uma espetacular chegada."


Na finalização desta entrevista, o veterano campeão ficou emocionado pela revista estar lhe dando um espaço e o valorizando, e confessou que sentiu despertar a vontade de voltar às provas. Animado, fez a promessa de retomar em breve aos treinamentos e participar de uma prova. E ao ser provocado "que tal a São Silvestre?",


Bergara deu um sorriso tímido e falou baixinho: "Quem sabe? Seria emocionante!"

41 Respostas para “Edson Bergara, o audaz”

  1. Meu Deus!!! rsrs, Gente sentir muita emoção em ler esta materia, comecei a corre justamente por causa deste cara ai! ele estava no final da carreira e eu morava em Carapicuiba e tive o prazer de colhece-lo e foi o meu principal encentivador, hoje sou treinador em Guaruja e fiquei muito feliz em ter noticias dele…
    abraços a parabéns pela reportagen.

  2. Adorei ler esta reportagem sobre Edson Bergara… Fui um corredor simples de rua da época do Bergara. Mais as suas cosntantes vitórias me estimulava sempre a participar de corridas de rua. Hoje aos 49 anos corro apenas para manter meu bem estar, mas sempre me recordo deste mágico corredor e vitorioso Edson Bergara… Bem que ele poderia voltar a competir na faixa etária dele..Um grande Abraço Bergara.

  3. oi amigos!!! eu assino em baixo deste depoimento do bergara,fui uma testemunha de toda as suas façanhas, viajei varias vezes com ele para o rio correr as meias maratonas. dividimos ap na baixada do glicério. corremos juntos na equipe de osasco e portuguesa. me mudei para s. j. do rio preto e perdi contato com ele. por favor se voces tiverem o telefone dele mandem para o meu email. fico muito grato!!! só mais uma obs:o edson merece uma idenização pelos os orgãos competente, por tudo aquilo que ele fez pelo brasil (sem remuneração naquela época)

  4. Edson Bergara sem dúvida é uma referencia no atletismo,poderia com tanta experiecia estar levando seu brilhante conhecimento já que o meio necessita.Animo Bergara esperamos sua volta…

  5. Gente, foi um dos maiores corredores de rua que o Brasil viu, uma pena que não foi reconhecido pelos responsáveis pelo esporte em que ele atuava. De qualquer forma ele deve ficar sabendo que foi incentivador de muitos e muitos corredores, pela humildade e determinação. Fico feliz em saber que ele está bem.

  6. Grande Bergara! No concreto da construção civil? Porque não numa atividade afim da corrida de rua e do atletismo?
    CBAT, consegue um espaço pra esse homem! Algo do tipo ‘Diretor Emérito de Corrida de Rua’. Ou algo que o valha.
    Uma grande personalidade. Unanimidade e celebridadae nas décadas de 70 e 80.
    Interessante saber da sua vida desportiva.
    Homenagem em boa hora da Contra Relógio.
    Não podemos esquecer aqueles que fizeram história no nosso pedestrianismo!
    Quero reverenciá-lo aqui do alto dos meus trinta anos de estrada.
    Deus te abençoe, Bergara!
    http://www.fernandopangare.com

  7. Fiquei arrepiado lendo está matéria. O Bergara foi meu grande idolo e inspiração para minhas corridas no inicio da década de 80. Que saudade da revista Viva, do circuito Atlantica Boavista, dos primeiros tenis importados, dos uniformes Canalonga…

  8. Olá amigos!!! mais uma vez quero omenagiar esta gde bandeira do atletismo brasileiro!! “edson bergara” e neste espaço que nos é cedido, convida-los a fazer uma campanha junto a cbat para que seja reconhecido merecidamente em “VIDA” por toda sua historia!!!! (se alguem tiver o telefone do BERGARA mandem pra mim!! vandao7leguas@yahoo.com.br

  9. VALEU VICENTE!!! JÁ ENTREI EM CONTATO COM O BERGARA!! FELIZ NATAL

  10. adorei a matéria em resgatar heróis do passado e presente ainda, muito bom estão de parabéns e sugestão no rio um amigão e que foi um herói das pistas também José Baltar morador de laranjeiras atualmente na equipe da Guarda Municipal RJ podiam fazer uma com ele tem história. abraço a todos e boas corridas.

  11. Com certeza Emerson! Lembro muito dele, foi um excelente corredor carioca, sempre presente nas provas Leblon-Leme, Corrida da Ponte, Maratona do Rio e todas que rolavam na década de 80. Em breve iremos entrevistá-lo. abçs

  12. Grande Edson bergara, meu grande amigo,treinamos muito tempo juntos pela Portuguesa, além de um grande corredor,é uma pessoa muito humilde,gosto muito de vc, Deus abençõe sua vida,volte a correr Bergara que tenho certeza que ainda vai fazer bonito.

  13. olaaa,edsontudo bem!sa q sou,faz tempo q eu te procuro ja faz uns 15 anos q agente se viu lembra daquela corrida q foi eu vc e o celio no rio em 86 pois e so ficou recordacoes e iamos para o semucam vc passava la em casa na vl helena dela nos iamos treinar to com saudades quero voltar a correr de novo q tal agente por os pes na estrada cara vi sua reportagem na internete pra vc ver q eu setava a sua procura fiquei feliz ate me emocionei bergara volta a corer denovovc e um atleta de nome alguem lembrou de vc e te procurou p esta entrevista foi otimo bergara so assim algue sabera q vc ten nome nos podioum abracao cara deixo meu tel 42074606 71178453 do seu amuigo wilson .

  14. BERGARA SATISFAÇÃO EM LER ESTA MATERIA. SOU IRMAO DO WILSON DA V. HELENA. ELE TREINAVA COM VC E O CELIO. ESTAMOS EM CARAPICUIBA. ESTOU NO ORKUT DC TORRES. POR ONDE VC ANDA. ABÇ.

  15. OLA BERGARA TD BEM GOSTARIA DE REECONTRA-LO PARA NOVAMENTE TREINAR-MOS JUNTOS ESTOU EM CARAPICUIBA AINDA. VAMOS MATAR A SAUDADE DA EPOCA QUE TREINAVAMOS JUNTOS. ABÇ

  16. Sou da época do Bergara, só uma coisa não bate na história dele, ele não foi o terceiro brasileiro a baixar dos 30 minutos nos 10.000m, antes dele teve o Carlos Alberto Alves e Aloísio de Araújo.

  17. Meu nome é Edison e fui companheiro de treinamento do Bergara na equipe de fundo e meio fundo de Osasco entre 1975 e 1979. Em 1978 nós treinávamos em Osasco na pista de carvão do bairro Rochdale, que já tinha sido a melhor do Brasil, mas naquela altura estava abandonada pela Prefeitura da cidade mais interessada no futebol do que no atletismo. Era o nosso período de base e estávamos fazendo uma série de testes com nosso técnico Amadio. O Bergara chegou de repente para treinar com a gente, como estávamos no meio dos testes ele entrou na dança. Depois de fazer testes de velocidade (50m e 250m) e força (saltos horizontais e verticais), o Bergara foi sozinho fazer o último teste um tiro de 4000m (nós já tinhamos feito anteriormente). O Amadio que costumava estimular a gente para um ritmo forte mas controlado fez o mesmo com o Bergara. O Amadio pediu que ele fosse para um ritmo entre 66 e 67 segundos por volta (400m). O Bergara começou nessa faixa mas logo foi para 64/65. Muita gente via o Bergara como um cara que ia logo para frente sem muito ritmo mas nesse dia o Bergara foi como um relógio volta após volta batendo sempre entre 65, 66, 64, o primeiro km em 2:47, o segundo 2:44 e assim foi sem cair, sem aumentar nessa balada. Sozinho o Bergara terminou os 4000m em 11 minutos e quatro segundos. Nós ficamos atônitos. Numa projeção conservadora esse tempo corresponde a 13:49 nos 5000m. Vendo o seu estado nas voltas finais não tenho dúvidas que se ele extendesse até os 5000m ele faria abaixo disso. Para vocês terem uma idéia do feito do Bergara, o recordo brasileiro dos 5000m nessa época era ao redor desse tempo creio que 13:45 feito pelo José Romão de Andrade (outro grande nome do fundo brasileiro) correndo em pista de tartã numa competição na Europa em 1975. Além disso, nunca um atleta brasileira tinha corrido abaixo dos 14 minutos em solo brasileiro(fato que só ocorreria dois anos depois num Troféu Bandeirantes no tartã do Ibirapuera quando o José João fez 13:57). Na época eu era estudante de educação física e estudioso de fisiologia e crescimento e posso dizer com tranquilidade: para mim o Bergara foi o maior talento do fundo brasileiro daquela época, se ele tivesse seguido mais fielmente as boas orientações técnicas que teve (primeiro do saudoso Sr.Nelson Pereira, uma lenda do atletismo brasileiro e depois do Prof. Alberto C. Amadio que apesar de jovem já era na época um dos maiores entendidos brasileiros da ciência do treinamento; e aqui é preciso dizer que o Bergara era um tanto rebelde em relação às orientações) e tivesse ele tido as condições que hoje qualquer atleta brasileiro mediano tem ele teria sido o maior recordista brasileiro dos 5000m à Maratona. Fico feliz em saber notícias dele, a última vez que estivemos juntos foi em 1983, quando eu já atuava como técnico, técnico inclusive de sua sobrinha Eliana Bergara, igualmente talentosa. Parabéns a essa revista por recuperar um pouco da memória do atletismo brasileiro naquele que como disse foi o maior talento do fundo brasileiro de sua geração.

  18. HISTORIA MUITO BOA
    TODOS CORREDORES DEVIRAM LER ESSA MATERIA

  19. ola! bergara torno a bater nesa tecla p saber p onde anda vc. ontem 07/08, teve 21k da gold for ascics sp,lembrei de vc na hora.fui retirar o kit na feira de eventos na 9 de julio, la estava wanderlei de oliveira e eliana;nao a bergara. wanderlei rapidamente citou seu nome p todos ouvirem q e vc, apesar de ninguem conhecer bergara, mas falou p uma boa lemgranca de vc e eu estava la fui comprimenta-lo e ele falou q tambem nao sabia muito onde vc estaria mas endicou o vicente do contra relogio, so q ele n estava la,q pena!..mas fiquei sabendo q vc esta treinando.legal. bergara a onda agora e corrida de montanha vc consegue q eu sei q vc tem pique. ai onde vc moro deve ser muito bom p treinar. aqui em carapicuiba nao e mas legal como era antes p treino. espero q vc possa lembrar de mim e me convidar.begara onde eu vou eu pergunto se alguem conhece vc.vc nao e esquecido n todos lembra de vc,so q vc n aparece mais.abrcs do seu camarada,wilson.to agurdando resposta um dia vou descobrir onde vc esta,valeu tudo de bom fica c deus,vc e sua familia!.

  20. Parabens por estar resgatndo as histórias de grandes atletas do passado. Imagine como deve estar o coração desse jovem ao ler a reportagem.Continuem fazendo o bom jornalismo. Nós, simples corredores, agradacemos e nos sentimos estimulados.

  21. […] que os tornaram famosos, como Elói Schelder o primeiro maratonista olímpico brasileiro. Edson Bergara – O Audaz – atleta que venceu todos de sua geração, mais de duas mil corridas. O destemido […]

  22. Conheci o Bergara no início dos anos Setenta. Eu competia pelo Clube Esportivo da Penha, cujo treinador era o Carlos Gago. Realmente o nosso Bergara era um foguete. Saudades daqueles tempos de Elói Rodrigues, José Romão, Antonio Afonso Gonçalves (esse portuguesinho era uma fera que corria pelo Corinthians) e tantos outros. Um abraço ao Bergara e parabéns pela reportagem.

  23. EDSON BERGARA TAMBEM DEU A HONRA AO POVO DA CIDADE DE FARTURA EM VARIAS CORRIDAS,JA FAZ MAIS DE 30 ANOS……MUITO OBRIGADO!!!!!

  24. Oi Edson tudo bem ? Aqui é a galera da Hochests Alexandre Greters , Décio de Oliveira Castro , e eu Sérgio que ainda corro com 60 anos , que saudades quando na final da prova dos bairros no corinthians você me tirou do pódio , Vem p/ São silvestre 2012 que estaremos á sua espera .Parabéns !!!

  25. Inicialmente cumprimentar a revista que dedicou esta reportagem ao uns dos icones das provas de fundo, quando os atletas corriam em busca de trofeus, bem como cita o entrevistado. E em especial, ter a oportunidade de saber do valoroso atleta Edson Bergara, o qual tive a grata satisfação de compartilhar-mos no mesmo clube nos anos 74/75 em Osasco, pessoa e atleta do melhor naipe vale a pena enriquecer os comentarios.

  26. […] são poucas as provas que venceu sequencialmente mais de 5 vezes… Muita coisa está no texto http://revistacontrarelogio.com.br/materia/edson-bergara-o-audaz/ –  O grande encontro e entrevista aconteceram em setembro de 2005 em matéria publicada em […]

  27. Eu lembro de vc na USP , eu ia correr todos os finais de semana e via vc la , vc fez parte um pouco da minha carreira e de muitos atletas pessoas como vc tinha que receber todos os dias homenagem , para bens CONTRA RELOGIO por vcs fazer esta homenagem a um ATLETA QUE FOI E SERA O ICONES DAS PROVAS DE RUAS , aqui fica o meu abraço JOAO LEITE .

  28. […] corredores nem fazem ideia de quem foi Edson Bergara. Dessa forma, mesmo deixando o link do AUDAZ: http://revistacontrarelogio.com.br/materia/edson-bergara-o-audaz/ na matéria especial publicada sobre ele em 2010, vou contar sobre o que recebi de outra amiga em […]

  29. Vicent,vc passou a ser nossa Enciclopedia do Atletismo. Antes tinhamos o Airton Ferreira, um maratonista tao apaixonado e competente quanto,vc.Por onde ele anda,hein? fica ai a sugestao.
    Me informe se puder em que ano eles (Eloy e Bergara) estao correnodo naquela foto que postei (alguns amigos acham que foi 83 outros 84, acho que ja estou ficando senil rsrsrsrsrs). Sao aproximadamente 30 anos de fotojornalismo nesta e muitas outras areas e ainda estou me organizando. Tenho o Bergara em Blumenau, e tb nao consigo localizar o ano. Me quebre esse galho ,se der, querido.O ano da foto da Maratona do Rio e ano que ele correu em Blumenau.Grata. bjs

  30. Beleza…Querida Mariinha.. Vou pesquisar por aqui nos meus “alfarrábios” rsss

  31. Na década de 80 eu era só um adolescente que gostava de correr e esse cara aí, o Edson Bergara, foi meu grande incentivador, enquanto todos os meus amigos me sacaneavam por gostar de correr e não gostar de futebol…

  32. Parabéns pela matéria Vicent! Fiquei impressionada com os dados, tempos das provas, enfim com a experiência deste atleta incrível que até o momento eu não conhecia. Pessoas como Edson Bergara me fazem acreditar ainda mais que tudo é possível neste mundo fascinante da corrida. Bjs e bons treinos!

  33. […] como o Audaz – Bergara é uma das maiores expressões do autentico atleta brasileiro. Guerreiro eterno, vencedor de mais de […]

  34. […] Competidor por três décadas, ex- recordista brasileiro da década de 80, Bergara, muito famoso pelo seu estilo destemido de correr, Bergara se tornou meu ídolo quando tinha meus 15 anos e de uma gigante massa de maratonistas e corredores da época. Foi depois de  20 anos que  tive o orgulho, de como jornalista, tê-lo redescoberto e apresentado para o público novo de corredores. Bergara tinha dado um sumiço das corridas de rua, tanto que após a publicação de seu perfil na Revista Contra Relógio em outubro de 2010, até hoje recebo e-mails sobre a matéria –  Bergara O AUDAZ ! […]

  35. Quando criança, ainda morando na Bahia li uma reportagem na Revista Placar com o EDSON BERGARA e hoje morando em Carapicuíba voltei a correr quando soube que ele manten um projeto aqui, é um exemplo de atleta e cidadão.

  36. Voces da revista Contra Relógio estao de Parabéns,não podemos jamais nos esquecer destes grandes ídolos do passado,este pessoal foi herói, representando o nosso País aqui e lá fora.E, Edson Bergara foi um dos mais legítimos.Eu já o conhecia das grandes provas pelo Brasil a fora, e nos anos 90 tive o prazer de conhece-lo pessoalmente aqui na minha cidade, Pindamonhangaba, a terra de João do Pulo.Na ocasião corremos aqui uma corrida de 25 Km organizada pelo Batalhão Borba Gato, e não deu outra,o vencedor foi ele!Saúde e vida longa a o Grande Bergara.

  37. […] Edson Bergara terá o nº 22213 Saiba mais quem é esse ícone. Conheça o Audaz – clique:http://REVISTACONTRARELOGIO.COM.BR/MATERIA/EDSON-BERGARA-O-AUDAZ/ […]

  38. […] Edson Bergara – O AUDAZ […]

  39. […] Saiba mais sobre o grande Campeão das Estradas: http://revistacontrarelogio.com.br/materia/edson-bergara-o-audaz/ […]

  40. […] Nesses últimos dias fui bastante questionado sobre a saúde de um grande maratonista brasileiro. E essa crônica é para você que ama a corrida e suas histórias, ou mesmo para um leitor de passagem, mas, importante informação para quem vem acompanhando o estado de saúde de um dos pioneiros corredores de maratona quando a modalidade começava a ficar popular no Brasil, atleta importante que se destacou nos fins da década de 70 e teve sua melhor fase nos anos de 80.  Falo do grande atleta brasileiro Edson Bergara a quem denominei numa matéria no afã e na alegria de resgatar sua história em outubro de 2010, como “O AUDAZ”. […]

  41. Turma do Horto , hoje uma pequena turma a qual eu faço parte e ainda corro com 62 anos , essa turma ñ teve o previlegio de te conhecer correndo , mais temos o orgulho de ter um atleta no Brasil como foi vc no passado sem o glamor de hoje, e fazer tudo o que fez p/ atletismo Brasileiro , Descanse em paz na glória de Deus amigo assim como os grandes nomes do esporte mundial

Deixe o seu comentário


Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados