Revista Contra-Relógio
// Medicina Esportiva //

Dor na virilha; artrose e fasciite; da áfrica; desgaste nos discos; dor no púbis

Edição 213 - JUNHO 2011 - POR JOSÉ MARQUES NETO


DOR NA VIRILHA

Publicidade


Pratico corrida de rua há alguns anos, mas de uns tempos para cá comecei a sentir uma dor na base do fêmur (próximo da virilha) quando caminho; quando estou sentada ou parada não sinto dor, que aliás não reflete para a região pubiana. Quando corro (6 a 8 km, 2 vezes semana) também não sinto a dor. O que pode ser?


Maria Teresa Lourenço, Por email


A dor na região próxima à virilha pode indicar problemas músculo-tendíneos, como tendinopatias dos adutores (músculos que fecham as coxas em direção ao centro do corpo) ou dos flexores do quadril (músculos que trazem o joelho em direção ao tórax), lesões musculares nestes mesmos músculos, ou então a temida fratura por stress no colo do fêmur, que é uma parte do osso da coxa, quando existe uma fratura microscópica no local, porém muito dolorida. Dependendo em que local a fratura de stress acomete o fêmur, seu prognóstico é mais sério; portanto, consulte um ortopedista especializado em medicina esportiva para a correta avaliação do seu problema.


ARTROSE E FASCIITE


Tenho artrose no joelho direito e após acompanhar as constantes discussões sobre correr com tênis mínimo ou até mesmo descalço, decidi experimentar correr com com um modelo Nike Free. Gostaria de testemunhar que o uso deste tipo de calçado reduz consideravelmente o impacto nas articulações; corri a Maratona de Berlim com ele e após a corrida minha dor no joelho foi mínima. Entretanto, cometi um erro grave, comecei a sentir dor na planta do pé direito e não dei a devida importância ao fato. Como resultado, após fazer uma corridinha de fim de semana mal consegui colocar o pé esquerdo no chão, tendo que usar bengala o resto do dia, de tanta dor. Estou há três semanas sem correr, fazendo tratamento médico, imersão em água quente e alongamentos da fáscia plantar. Agora tenho dúvidas se quando voltar a correr devo insistir no tênis com pouco amortecimento, que me dá mais comodidade em relação ao joelho lesionado, ou se volto a utilizar os modelos convencionais, com bom amortecimento.


Ruy Barbosa Netto, Rio de Janeiro, RJ


A questão da fasciite plantar, termo recentemente modificado para fasciose plantar pelos cirurgiões de pé, por ser mais adequado ao caracterizar o processo degenerativo que acomete a emergência calcaneana da fáscia plantar, está muito mais envolvida com a prática de alongamentos de fáscia e muito menos com a presença de componentes amortecedores em tênis convencionais. O que pode ocorrer com os chamados tênis minimalistas é que por serem mais baixos na parte do retropé, predispõem ao surgimento da fasciite plantar, fato que pode ser minimizado com o uso de calcanheiras de silicone e muitos exercícios de alongamentos para a planta dos pés, assim como compressas de gelo e exercícios dos músculos flexores curtos dos dedos, frequentemente abordados e orientados em matérias aqui na CR.


DA ÁFRICA


Há alguns meses comecei a sentir uma dor quando caminhava. Fui fazer fisioterapia e procurei um ortopedista que me disse estar com uma tendinite na parte posterior da coxa esquerda, onde o tendão e o osso se encontram. Já tomei três injeções de cortisona e ainda não consigo sentar direito. Dez minutos depois de estar sentada tenho muitas dores. Estou parada há três meses. Preciso de ajuda. Fazia muito exercício e agora não faço nada. Estou começado a ficar estressada. Por favor me ajudem.


Albertina Neves, Namíbia - África



Sinto pelas suas dores, mas você não mencionou em que local da coxa está sua dor. A junção entre tendões e ossos (entésio) normalmente sofre com processos de inflamação e roturas. O ponto sobre o qual você se senta chama-se tuberosidade isquiática, sítio de inserções tendíneas que podem sofrer com tendinites crônicas de difícil tratamento. Não faça nenhuma outra infiltração com cortisona, já que os efeitos colaterais do corticóide são nefastos para o tecido conjuntivo dos tendões; continue nas sessões de fisioterapia, use gelo no local, permaneça o mínimo de tempo possível sentada ou utilize uma almofada com um buraco no meio; não alongue estes músculos posteriores da coxa, e faça exercícios de fortalecimento com contração excêntrica na fisioterapia e tente natação (nado livre). Seu diagnóstico? Síndrome dos ísquio-tibiais.



DESGASTE NOS DISCOS


Meu marido gosta de correr, porém sente muitas dores nas costas. Fez tomografia na lombar e torácica e o diagnóstico foi discopatia degenerativa difusa leve e hemangiona do corpo vertebral L3 eT4. Ele pode continuar correndo? Estamos muito preocupados.


Maria José de Souza, Por email



A discopatia degenerativa difusa sinalizada pela tomografia computadorizada que seu marido realizou representa um desgaste de diversos discos intervertebrais das colunas lombar e torácica, as estruturas fibrocartilaginosas interpostas entre os corpos das vértebras, formados por um anel fibroso externo e um núcleo pulposo (gelatinoso) interno, responsáveis pelo auxílio na distribuição de cargas axiais sobre a coluna e na movimentação da mesma. Seu marido pode continuar correndo, desde que tome certos cuidados, como manutenção de baixo peso, limitação nos quilômetros rodados e nas distâncias das provas a serem completadas, ingresso em treinamento de força concomitante (musculação), observação rígida dos dias de descanso, e acompanhamento com médico do esporte.


DOR NO PÚBIS


Tive problema no púbis e comecei a tratar depois de um ano. Estou fazendo fisioterapia e tomando uma injeção a cada 30 dias, já há 6 meses. Será que vou conseguir voltar a treinar como antes, quando corria praticamente todo dia.


Evandro Gomes de Lima, Por email


Creio que suas chances são reais de voltar a treinar como antes, mas você comenta muito pouco a respeito de seu problema no púbis. Em que local exatamente é a sua dor? Levou alguma pancada? Trauma ou entorse no local? Como começou a dor, correndo, alongando, ou entre treinos? A dor piora nos treinamentos? Foi aventado algum diagnóstico pelos médicos que estão lhe tratando? Em relação ao medicamento que está tomando, por qual razão são tantas injeções? São informações importantes que necessitamos para elaborar uma hipótese diagnóstica e uma linha de tratamento que seja adequada para o seu caso.

3 Respostas para “Dor na virilha; artrose e fasciite; da áfrica; desgaste nos discos; dor no púbis”

  1. parabens pelo artigo MEDICINA ESPORTIVA. Alem de sanar dúvidas e ótimo como aprendizado. Sofrí anos com esporão do calcâneo, operei dois atrás. Resolvido o problema. Tive desgaste da cartilagem no joelho direito, comprovado pela ressônancia magnetica e me curei, utilizando a medicina alternativa. Posso passar essas informações caso os srs. julgarem necessárias. Continuem sempre ajudando os corredores.

  2. Sr. Frederico,

    Lendo o seu depoimento, informo que estou com desgaste de cartilagem, e me interessei muito pela medicina alternativa, portanto o que seria isso ? Poderia me informar ?
    Muito Obrigada,

  3. Olá estou correndo a um pouco de seis meses de duas a três vezes por semana, no ultimo mês intensificamos nosso treinamento pois no domingo teremos uma competição na empresa que trabalhamos,algumas vezes sinto uma dor dabaixo do umbigo bem do lado direito e isso acaba tirando minha concentração e perco o sincronismo da minha corrida, algumas vezes eu sinto essa dor dois lados será que isto é grave ou não preciso me perocupar muito?

Deixe o seu comentário


Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados