Revista Contra-Relógio

André Tarchiani Savazoni é jornalista, pai e corredor. Está sempre na corrida. Seja nos treinos, nas provas ou atrás dos filhos, Vitória e, principalmente, Pedro. E adora viajar para correr ou correr para viajar.

Rumo a Boston: Da preocupação com o bem-estar para a Boylston Street

1/abril/2016

Orlando Santos (número 1876) com amigos na Maratona de Porto Alegre (Arquivo Pessoal)

Orlando Santos (número 1836) com amigos na Maratona de Porto Alegre
(Arquivo Pessoal)

Quem conversa com Orlando Santos percebe a influência e as expressões da cultura gaúcha, sem nem imaginar a origem no interior da Paraíba. Inclusive, ao longo do relato abaixo, você perceberá isso com citações de “guris” e “lombas”! Mas essa origem nordestina retrata a determinação que levou para a vida, seja profissional ou esportiva. Começou nas provas rápidas, de 100 m e 200 m, se afastou um pouco da atividade física e retornou em busca de bem-estar, mas se apaixonando depois pelos 42 km. Tanto que chegou a Boston nesta edição de número 120. E com um “presente” especial: completa 53 anos no dia 18 de abril, exatamente a data em que estará correndo de Hopkinton até a famosa finish line na Boylston Street. Conheça a história desse guri paraíbano que representa bem os 154 brasileiros em Boston.

“Sempre gostei de praticar esportes. Vindo interior da Paraíba para Natal (faz tempo), em 1974, tomei gosto pelo atletismo, particularmente pelos 100 m e 200 m rasos. Correndo individualmente e em revezamento, disputei por alguns anos os Jogos Estudantis do Rio Grande do Norte (JERN’s), com bons resultados, especialmente, no revezamento. Os guris eram rápidos!

Mas o gosto pela corrida de rua está relacionado a um outro fato: em 1981, então com 18 anos, após ser aprovado em concurso para escriturário do Banco do Brasil, assumi o posto na querida cidade de Cuité, interior da Paraíba, onde nasci. Para manter uma vida ativa e saudável, comecei a correr, duas a três vezes por semana, sem maiores pretensões, de 5 a 10 km, por vez, conforme a vontade/possibilidade.

30.11.2013 - 16Foi tão satisfatório o resultado para o meu bem-estar que, ao retornar para Natal transferido, em 1984, mantive o hábito, ampliando a frequência e distância percorrida. Sem saber já estava “apaixonado” pela corrida, à época, encarada como um momento lúdico, de prazer, relaxamento, reflexão e até resolução de problemas. Acreditem: correr é um santo remédio e mais barato do que fazer terapia!

Não preciso dizer que praticar corrida de rua nas décadas de oitenta e noventa do século passado(!), era uma aventura arriscada. Não raro, alguém resolvia me homenagear com uma determinada música do meu compositor preferido, Chico Buarque: “Vai trabalhar vagabundo”! Isto sem contar os motoristas “brincalhões” que pareciam querer provar que os seus carros eram mais pesados do que “o ar”, ou melhor, do que o pobre corredor. Daí, até hoje cultivo este aprendizado: Na rua, no geral, corro contra o fluxo dos veículos.

Após mudar-me para Porto Alegre/RS, “raptado” por uma gaúcha, por muito tempo consegui manter o hábito de correr sozinho, sempre no mesmo ritmo e voltado para o meu bem-estar. Só que a vida profissional de advogado e professor, com horários malucos e hábitos alimentares ruins, aliada a minha indisciplina, terminaram “minando” as corridas e eu acabei ganhando peso: quase 10 kg a mais na balança. Era 2010, segundo semestre, e decidi que estava passando a ora de “botar ordem na casa”!

Gradativamente voltei a correr e percebi que então “o mundo da corrida” havia se transformado, virado quase moda; muitas assessorias, algumas revistas especializadas e muita gente, nas ruas e parques, a exemplo do que eu fazia, correndo por prazer, para manter a saúde. Estimulado por esse novo clima, resolvi que ia levar a coisa um pouquinho mais a sério e por meio das revistas especializadas, em especial a Contra-Relógio, e sites,  passei a treinar(!) com base em planilhas, ainda sozinho.

Em 24/09/2011, aniversário do meu primeiro filho, eu então com 48 anos, ainda com sobrepeso, estreei em uma prova de rua, nos tradicionais 10 km; cheguei com o “coração na mão”, tempo líquido de 49:07. Menos de um mês depois, baixei o tempo para 46:10. Nada mal! Ainda em novembro desse ano estreei na meia-maratona; foi “amor a primeira vista”.

Em 2012 ingressei numa assessoria de corrida, com um objetivo mais ousado de, ainda nesse ano, estrear em uma maratona; a prova escolhida foi a Maratona de Buenos Aires, plana, fria e quase ao final do ano, facilitando a preparação. Fiz mais três meias maratonas, uma boa preparação, concluindo a prova com o tempo líquido de 3:43:15. Terminei bem mas, com a “certeza” que maratona era a “primeira e última”, pois os treinos eram desgastantes e a prova muito longa e cansativa. Bobagens! Uma semana depois já estava pensando em qual maratona melhoraria meu tempo.

Em 2013 muito treino, mais várias meias maratonas e duas maratonas: São Paulo e a primeira edição da Mizuno Uphill Marathon, com intervalo de menos de 60 dias. É que o convite para o maior desafio da minha vida de corredor foi feito após a maratona de São Paulo, em 06/10, e a Uphill estava marcada para 30/11, na temida Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina. Maratona serra acima, com quase 1.500 m de variação altimétrica, só que, cerca da metade, nos últimos 8 quilômetros; um muro pra ninguém botar defeito! Fui bem e terminei a prova em 4:28:29; e o melhor, cansado, porém inteiro, celebrando a vitalidade dos meus 50 anos.

Terminei o ano de 2013 com um desafio na “mira”: obter o índice para correr a tradicional Maratona de Boston – sub 3h30 para a faixa 50-54 anos. A prova escolhida seria a Maratona de Porto Alegre, em junho de 2014. Tudo certo, ou quase; nos 21 km da Wine Run, em abril/2014, me machuquei e não pude correr “em casa”. Recuperado, treinos retomados e uma nova/velha escolha: faria de novo a Maratona de Buenos Aires; escolha certa e índice na mão: 3:28:13 – ou quase!

Estimulado pela estreia de vários colegas da assessoria RA RUNNERS na Maratona de Porto Alegre de 2015, resolvi treinar a sério e encarar a prova, com a responsabilidade de ditar o ritmo para um grupo de corredores. Santa Decisão! No dia 12 de junho, frio e nublado, percurso plano, “carimbei meu passaporte” para Boston, com 3:23:09! Isso porque, na 120a edição, todos os índices sofreram um corte de 2min28seg; ou seja, para faixa etária 50-54 anos, o índice que garantia a participação caiu para 3:27:32. Moral da história: se tivesse me contentado com o tempo de Buenos Aires estaria fora da prova!

Bom, comecei os treinamentos em meados de dezembro do ano passado, em pleno verão de “Forno Alegre”. Treino quatro vezes por semana, além de musculação, no mínimo, duas vezes por semana, para os joelhos suportarem; tenho condromalácia nos dois! Em síntese, variando distâncias, paces e altimetrias, os treinos de corrida seguem uma certa ordem: 2a feira, rodagem leve; 3a feira, ritmo e/ou lombas; 5a feira, pista; e sábado, longões, alguns no pretendido ritmo de prova. Musculação às 4a e 6a feiras. Estou quase pronto e a expectativa, apesar do “tobogã” da Maratona de Boston, uma prova de estrada, é ao menos correr abaixo do índice. Quem sabe… para me dar de presente de aniversário, não vem o “recorde pessoal mundial” (RPM) – faço 53 anos no dia da prova, 18 de abril!”

Postado em: Rumo a Boston por André Savazoni às 10:00
10 comentários »

29/março/2016

Rumo a Boston: José Eduardo Motta Garcia e uma experiência única

José Eduardo Motta Garcia esteve em Boston em 2015 e voltará, agora, em 18 de abril, para mais uma edição da maratona mais antiga do mundo.
Leia mais>>>


8/março/2016

Rumo a Boston: As mulheres na maratona – Ana Lucia Rozza

Nessa quarta entrevista da série das mulheres na Maratona de Boston e também no crescimento feminino nas provas, principalmente nos 21 km e 42 km, a personagem do Dia Internacional da Mulher é Ana Lucia Rozza, de 46 anos, que mora atualmente em Joinville e corre há 13 anos.
Leia mais>>>


29/outubro/2015

Marcada para domingo, Speedo Run Series tem inscrições nas lojas da marca

[youtube]pqdQ-qaH4ew[/youtube] Nesse próximo domingo ocorre a terceira edição da Speedo Run Series, com percurso de 5 km e 10 km, além de uma caminhada de 3 km, na região do Ibirapuera.
Leia mais>>>


20/maio/2014

Rumo aos 30 anos com o corpo e a mente aberta

Correr a Tribuna 10 km é uma experiência única.
Leia mais>>>


20/maio/2013

O envolvimento da cidade. A alma da Tribuna

Uma prova para ser um sucesso de público e de crítica, não basta apenas ser organizada.
Leia mais>>>


16/maio/2013

Correr 10 km sub 40 dói mais do que maratona sub 3h ou meia sub 1h30

São três marcas almejadas na corrida.
Leia mais>>>


25/março/2013

Disney abre inscrições dia 9 de abril, terá 10 km e o Desafio do Dunga em 2014

Com novidades, a Walt Disney World Marathon Weekend abre inscrições no dia 9 de abril.
Leia mais>>>


27/novembro/2012

O que é melhor para corrida: inúmeras opções ou um crescimento mais organizado?

O boom das corridas de rua chegou também às provas em montanha.
Leia mais>>>


6/novembro/2012

Em 2013, só provas aferidas e oficiais

Como tenho fama de corneteiro (injusta, diga-se de passagem), lá vai mais uma.
Leia mais>>>


« Mais Antigos

// outros blogs //

Últimas

Duas inscrições gratuitas para assinantes na Maratona do Porto>> LER POST

Blog da CR

Visitem o estande da CR na feira da Maratona de SP>> LER POST

Linhas de Chegada

Muita transpiração, pouca inspiração>> LER POST

Vida Corrida

Mesmo com uma rotina difícil, treinar é possível>> LER POST

Publicidade

TRISHOES

Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados