Revista Contra-Relógio

André Tarchiani Savazoni é jornalista, pai e corredor. Está sempre na corrida. Seja nos treinos, nas provas ou atrás dos filhos, Vitória e, principalmente, Pedro. E adora viajar para correr ou correr para viajar.

// Na Corrida//

Trânsito, um agente direto de estresse

30/setembro/2014

Para encerrar a série sobre violência no trânsito e corredores, conversamos com a psicóloga Stael Prata, de Brasília, para tentar entender também os motivos que leva, muitos vezes, até os próprios corredores (e os ciclistas) a mudarem totalmente o comportamento ao assumirem a condução de um veículo.

O trânsito é considerado um agente estressor para a maioria das pessoas, principalmente nas grandes cidades, como São Paulo. “Temos a via, o veículo e o homem, a peça mais importante desse tripé, pois está sob os efeitos das influências externas e internas que alteram o seu comportamento”, explica Stael. “Cada um tem seu espaço (atleta e motorista) e muitas vezes um invade o local do outro, o que ocasiona tensões e alguns conflitos no trânsito, principalmente se o motorista já se encontra irritado.”

Porém, há, inclusive, mudança de comportamento dos próprios atletas ao sentarem no comando do volante. “Enquanto o homem pedala ou corre, ele é apenas ciclista ou corredor e não motorista. Nesse contexto, percebemos que esse atleta está fisiologicamente voltado para si, ou seja, corpo e mente estão trabalhando juntos e com um único foco. Isso gera alterações bioquímicas, como a liberação de endorfinas. Essas são substâncias naturais, produzidas pelo cérebro em decorrência de certos estímulos, dentre estes, o exercício físico”, afirma Stael. Quando esse homem assume a direção de um veículo, porém, ele passa a não ter mais apenas um único foco. A atenção se volta para a segurança, o caminho, as pessoas, os outros veículos, compromissos, pensamentos e conflitos (problemas), ou seja, criou-se o ambiente necessário para introduzir ou deixar aparecer um estresse iminente. “O estresse gera agressividade nos motoristas.”

De acordo com Stael, entretanto, essa não é uma regra geral.Em muitos casos, a empatia faz parte da vida dos atletas. Quando eles tornam-se motoristas, conseguem compreender o sentimento ou reação de quem está correndo ou pedalando. Como observo em Brasília, por ser uma cidade com tradição em prática esportiva, principalmente em triatlo”, afirma a psicóloga.

O que podemos fazer então, para evitar que esse estresse nos afete tanto? “Devemos aprender a gerenciá-lo adequadamente, ou seja, tentar fazer com que ele não evolua para algo negativo”, diz Stael, citando algumas ferramentas importantes nesse trabalho: reconhecer os sintomas, como cada um reage a determinadas situações; analisar as causas: o que realmente causou o aborrecimento; estabelecer estratégias, como reconhecer o limite de cada um, eliminar os estressores desnecessários e fortalecer-se para não sofrer efeitos negativos, com os pilares de atividade física, alimentação adequada, exercícios de relaxamento e, principalmente, atitude adequada.

“Não adianta alimentar-se bem, fazer relaxamento, atividade física e não se conhecer, não reconhecer os próprios limites. Na verdade, precisamos colocar em prática os quatro pilares. Não adianta só colocar um em prática. Se o modo como olharmos a vida nos cria estresse, é possível desaprender os maus hábitos e aprender novos valores, novos modos de pensar e encarar a vida que sejam mais positivos e que, portanto, não permitam o surgimento do estresse excessivo”, receita a psicóloga de Brasília.

Se não leu alguma das reportagens anteriores, clique no nome da cidade e veja a situação para os corredores em Cuiabá, Rio de Janeiro, Campinas, Curitiba, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.

Postado em: Série sobre o trânsito/corredores, Trânsito e corredores por André Savazoni às 10:00
Deixe o seu comentário »

29/setembro/2014

Violência no trânsito e os corredores: Porto Alegre

No penúltimo dia da série especial do blog sobre a violência no trânsito e os corredores no Brasil, falamos com Nelsinho Penedo e Giovana Kaupe, de Porto Alegre, da Pulsação Assessoria Esportiva.
Leia mais>>>


27/setembro/2014

Violência no trânsito e os corredores: Brasília

Nessa relação entre corredores e a violência no trânsito, talvez Brasília viva hoje a melhor situação, com um convívio um pouco mais pacífico e humano, além de diversas áreas públicas e vias fechadas para a prática do esporte.
Leia mais>>>


26/setembro/2014

Violência no trânsito e os corredores: Belo Horizonte

O treinador e corredor Heleno Fortes listou os pontos mais tradicionais de Belo Horizonte para prática da corrida e, ao mesmo tempo, as características de segurança de cada um, na quinta reportagem da série sobre a violência no transito e os corredores no Brasil.
Leia mais>>>


25/setembro/2014

Violência no trânsito e os corredores: Campinas

Hoje a conversa é com o maratonista Felipe Arakawa, sobre a situação em Campinas, no interior de São Paulo, na série sobre a violência no trânsito e os corredores.
Leia mais>>>


24/setembro/2014

Violência no trânsito e os corredores: Curitiba

Na terceira reportagem da série sobre a Violência no Trânsito e os Corredores, conversamos como Murilo Klein, sócio da V8 Assessoria, da capital paranaense.
Leia mais>>>


« Mais Antigos

// outros blogs //

Últimas

K21 Serra da Mantiqueira valoriza a cultura rural de Serra Negra>> LER POST

Blog da CR

CR em férias até 7 de outubro!>> LER POST

Corrida Viva

A Corrida e o ET de Varginha>> LER POST

Linhas de Chegada

O recorde que ninguém viu>> LER POST

Operação Queniana Albina

Missão Super Saias 21K>> LER POST

Publicidade

VELOCIT

Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados