Revista Contra-Relógio

Rodrigo Lucchesi é engenheiro de formação e corredor de coração, esporte que adotou em 2001. Corre pela endorfina e para poder comer chocolate e tomar açaí sem culpa.

// Linhas de Chegada/

Mais sobre o Mundial de Atletismo

10/setembro/2015

Na sequencia do texto anterior (veja aqui), continuo analisando os resultados do Mundial de Atletismo, desta vez comparando o desempenho dos países.

O país vencedor da competição pelo quadro de medalhas e destaque pelo ineditismo da conquista foi o Quênia. Nossos amigos africanos estão expandindo sua atuação, dominando novas modalidades além das corridas de longa distância. Das 7 medalhas de ouro, vale chamar a atenção para o arremesso de dardo (a história do Julius Yego, que aprendeu a arremessar dardos no Youtube é sensacional!) e distâncias relativamente curtas como 400m com barreiras e o retorno de Rudisha nos 800m.

medal table

É do Quênia ainda o maior número de medalhas por atleta, entre grandes delegações, 16 medalhas entre 52 atletas, um aproveitamento de 31% (não vale comparar com delegações pequenas como o Tajiquistão que conseguiu 1 medalha com 2 atletas – 50% de aproveitamento).

medalhas por atleta

A Jamaica também foi destaque, com Usain Bolt confirmando o posto de homem mais rápido do mundo e contribuindo com 3 medalhas de Ouro para seu país.

Duas grandes potências do esporte deixaram a desejar, e muito. Estados Unidos e Rússia, amargando um 3º e 9º lugar, respectivamente, no quadro de medalhas. Alguns fatos ilustram a queda de performance dos norte-americanos:

– Os Estados Unidos sempre foram o grande campeão do Mundial de Atletismo, com o 1º lugar no quadro de medalhas, salvo por duas vezes em que ficou em 2º. Desta vez amargou um inédito 3º lugar.

– Pela primeira vez em Mundiais ou Olimpíadas, os eventos de pista masculino individuais não trouxeram nenhuma medalha de ouro ao país.

– Diversos atletas norte-americanos que já foram medalhistas em mundiais ou Olimpíadas como Matthew Centrowitz, Leo Manzano, Galen Rupp, Brenda Martinez, Jenny Simpson e Shalane Flanagan ficaram de fora do pódio desta vez.

Já a Rússia, envolvida em investigações anti-doping, teve vários de seus melhores atletas cortados da competição, o que contribuiu para o fraco desempenho do país.

Olhando as medalhas conquistadas nos últimos 6 Mundiais, podemos ver suas medalhas despencando em 2015. Depois de uma média de 25 medalhas por torneio, este ano os EUA levaram “apenas” 18. Com a Rússia o baque foi ainda mais forte: média de 16 medalhas por torneio e apenas 4 este ano.

medalhas eua russia

Dos países com grandes delegações, acima de 20 atletas, outras decepções ficaram por conta de Itália (33 atletas) e Suécia (24 atletas) que não conquistaram nenhuma medalha. Menção honrosa também deve ser feita ao nosso querido Brasil (1 medalha para 58 atletas), Japão (1 medalha para 33 atletas) e Espanha (1 medalha para 44 atletas).

Contatos:

Postado em: Estatísticas, medalhas, Provas por Rodrigo Lucchesi às 11:16

Deixe o seu comentário

// outros blogs //

Últimas

Inscrições da Meia-Maratona do Sol chegam ao segundo lote>> LER POST

Blog da CR

"Este ano eu entro no Ranking!" Participe do Desafio CR!>> LER POST

Na Corrida

Detalhes da Maratona de Santiago>> LER POST

Vida Corrida

Primeira Maratona de Diogo Junqueira.>> LER POST

Publicidade

VELOCITA

Publicidade

















11 3031.8664
Rua Hermes Fontes, 67
São Paulo - SP





© 1993 - 2014
Todos os direitos reservados